Factos

Procissão dos Diabos de Amarante

Procissão dos Diabos de Amarante

A “procissão dos diabos” trata-se de um cortejo que tem lugar anualmente no dia 24 de agosto, celebrando o regresso dos “Diabos de Amarante” – um macho e uma fêmea – àquela cidade. Foi na segunda metade do século XIX que os “Diabos de Amarante” foram comprados por um inglês, que os veio a expôr na Feira Internacional de Paris, no ano de 1889. Após várias diligências diplomáticas os diabos foram devolvidos e à sua chegada foram festivamente acolhidos em massa pela população local. Desde essa altura que se faz uma procissão anual até ao largo de São Gonçalo. Durante essas celebrações, os diabos são transportados em andores, sendo que no cortejo tomam parte para cima de 300 mascarados de diabos (e de diabas), trajando de vermelho ou preto; a seguir há lugar ao baile dos mafarricos que termina à meia-noite, com uma queimada. Quer o “Diabo” quer a “Diaba”, são estátuas em madeira negra e talhadas no século XIX. O casal de diabos existiu, até cerca de 1809, no Mosteiro de São Gonçalo, fazendo parte do culto da fertilidade. Foram danificados (quase destruídos) pelos soldados franceses durante as invasões, depois foram queimados e vestidos com roupas sacerdotais roubadas em pleno mosteiro. Por ordem de Sua Excelência Reverendíssima à época, o Bispo de Braga, o “Diabo” foi castrado. No dia 24 de agosto a população local acredita que o diabo anda à solta.